Olá amigas,

A nova fase de crèche e de escola para mim são como a de uma nova etapa da vida delas assim como começar a andar, sim, pois se trata de uma conquista a mais na independência dos pais, além de outras mudanças.

A socialização interage de forma única sem participação ou direcionamento dos pais, a moral individual surge onde o certo e errado e limites não são mais controlados pelos pais, há a professora, mas ainda assim as ações da crianças livre da atenção dos pais permite que sejam elas mesmas num mundo mais real e verdadeiro, uma vez que independente de serem ou não pais ¨helicoptero¨ não existe mas aquela proteção ou o tratamento especial, pois passam a pertencer a um grupo maior onde todos são apenas mais um.
O resultado além do aumento da independência e liberdade é o crescimento como individuo.

Aqui na Inglaterra existem a creche para crianças a partir dos 3 anos e escola para crianças a partir dos 4 anos. A data de aniversário determina o direito de frenquentar as mesmas.
O ano letivo começa sempre no início do mês de Setembro, existem 3 ¨terms¨por ano letivo, e cada um tem normalmente 1 semana de recesso chamados de ¨Half term¨, e são esses termos que determinam a data de entrada, sempre inicia no term seguinte após completar anos.

Vou especificar melhor, o calendário escolar variam em todo UK, mas basicamente é assim:
Autumn Term - Iniciando dia 2 de Setembro, com Half term do dia 27 a 31 de Outubro, encerrando dia 19 de dezembro.
Spring Term - Iniciando dia 5 de Janeiro, com Half term do dia 16 a 20 de Fevereiro, encerrando dia 2 de Abril.
Summer Term - Iniciando dia 20 de Abril, com Half term do dia 25 a 29 de Maio, encerrando dia 21 de Julho.

Minhas duas nasceram logo após inicio do ano letivo, Lana dia 24 de Setembro e Louise dia 22 de Outubro, então ambas só puderam(ão) iniciar creche após inicio do ¨Spring Term¨ em Janeiro e para escola praticamente 1 ano após.



Lana
Aos 3 anos de vida, temos o direito de escolher qualquer creche, podendo ser da rede governamental ou privada, desde que a frequência não ultrapassasse 15 horas semanais, no caso de rede privada há a possibilidade de mais horas, por tanto devemos pagar por fora.

Alguns pais são insatisfeitos com a idade estipulada pelo governo para levar as crianças as creches, no meu caso condiz com o que sempre quis, levar meus filhos para creche quando soubessem falar, podendo nos participar de sua nova rotina e sentisse que estivéssemos preparadas para este momento, que seria em torno desta idade mesmo.
Mas cada família com sua realidade, depende das oportunidades, das necessidades, eu descobri uma profissão que fosse possível exercer os dois papéis, mãe integral e professional.

Logo após Lana completar 3 anos de idade iniciou sua nova condição de saúde e justamente no mês de Janeiro que deveria ingressar tudo se agravou, após o primeiro controle meses depois, apesar de ainda existirem crises e o estado da pele que se encontrava, mesmo assim meados de Maio 2013 ela ingressou na creche, ela precisava ter uma vida normal.
Esta creche encontrei pesquisando na internet, uma creche outstanding (máximo nível na avaliação de qualidade do Ofsted), nesta época foi até minha comadre que marcou uma visita e amei a primeira vista. Se tratava de uma creche privativa, Lana frequentava 2 vezes na semana full time (9am as 3pm), então pagávamos a diferença, pois esta creche apenas utilizava 3 horas por dia.
Mas infelizmente seu quadro de saúde se agravou e teve de se afastar.

Após tratamentos, internação hospitalar, e mais tratamentos seu quadro melhorou e apesar do planejamento de ir ao Brasil não perdi tempo e procurei uma pré escola mesmo estando em pleno half term de Outubro, mas conseguimos com que inicia-se em Novembro, onde obteve a permissão pela head teacher para se ausentar por 2 meses e meio para viajar ao Brasil para tratamento médico. Após retorno continuou o ano letivo até final do Summer Term.
A preparação para iniciar a pré escola foi a mesma que seria para escola, compra de uniforme, bookcase, PI uniforme (exercício fisíco), sapato pretos, para nós a pré escola foi um treinamento para se preparar para escola integralmente.
Logo chegou o dia de preencher o formulário para escolha da escola, e em alguns meses recebemos o resultado que nossa escolha número 1 foi selecionada, ela continuaria na mesma escola para reception class e anos seguintes (IUPI).

Vou explicar como funciona essa escolha de escola em UK.
Aqui as escolas públicas que nossos filhos deverão frequentar são mapeadas por área de moradia.
Por isso normalmente a escolha de onde morar quando se trata de uma família condiz pela área da escola de sua preferência, e este torna um dos requisitos para valorizar determinados imóveis.

Apesar de amar minha casa, não gosto da área justamente pelas opções que temos de escolas ao redor.
Graças a Deus não foi necessário sair dela como muitos pais fazem neste momento de decidir onde o filho estudar.
Tudo aconteceu no tempo de Deus.
Quando procurei um pré escolar para Lana consegui falar ao telefone com a head teacher da escola dos sonhos, marquei uma visita, conversamos e Lana foi aceita lá.
Essa escola na verdade está cituada numa outra cidade, apesar que são apenas 9 minutos de carro utilizando country road, numa area maravilhosa, mas não tem muitas crianças nesta area.
Também não há interesse de outros pais de outras áreas como eu tive, pois muitos necessitam utilizar ônibus onde o custo e sacrifício é grande, pois apesar de relativamente perto é contra mão para ônibus, são necessários 8 por dia, 2 para levar a criança, 2 para voltar para casa, 2 para ir buscar e 2 para voltar para casa.
Acredito que por isso conseguimos vaga, além da época que busquei.

Então chegou nosso momento de preencher o formulário, são três opções, numeradas pela ordem de sua preferência e com justificativas do porquê para cada escolha.
A primeira escolha foi a tal escola dos sonhos fora de nossa área, a segunda uma menor mas apesar de não ser tão próxima ainda podendo ser aceita e outra da nossa área (menos ruim).
Existia uma certa ansiedade, pois já tinha testimunhado alguns casos onde os pais escolheram escolas não muito longe de suas casas e foram negadas as três opções e matriculado numa escola próxima da casa dos pais (e pril, ponto final).
A justificativa da nossa primeira escolha foi que apesar de não fazer parte de nossa área existe uma country road que de carro são apenas 9 minutos para chegar na escola, que Lana já faz o pré escolar lá e nos sentimos bem vindos, bem tratados e percebemos evolução na aprendizagem dela, também já tem muitos amigos, além que ela já contém todos uniformes da escola nos ausentando da necessidade de comprar tudo novamente.
Sorte ou não de uma coisa tenho certeza foi Deus.

Atualmente Lana frequenta a reception class (primeiro ano escolar) e school club (estilo momento play, onde aguarda o horário de iniciar as aulas e depois para me aguardar buscá-la após chegar da universidade).

Amo a escola da minha filha, amo a equipe pedagógica, a diversidade de atividades, a estrutura em si, a atenção e cuidado todo especial que há com as crianças, além da estrutura.


Louise
Como ela ainda não completou 3 anos de idade será apenas mês que vem e eu necessitava de começar na universidade não foi possível aguardar as 15 horas semanais, que poderá ter direito apenas em Janeiro.
Louise já frequentava uma creche nas manhãs das quartas com a irmã, numa creche do outro lado da rua da escola da Lana.
A ideia inicial era um dia na semana Lana ficar full time para que eu pudesse resolver outras coisas, ganhar tempo, já que ainda estava no pré escola e eram apenas 3 horas por dia (sendo 12:20am as 3:20pm) e perdia muito tempo para deixar e buscar.
Mas após duas idas da Lana não resiti, vendo Louise querer ficar ao ver todos brinquedos, chorar em ter de se despedir da irmã, e a matriculei nas manhãs das Quartas-feira, eu ficava com o coração menos apertado uma vez que a irmã estava por perto para brincar e interagir.
E sabia que como meu tempo livre não era mas o mesmo de quando só tinha Lana e já não podia está em play groups entre outras atividades comunitária para mães e bebês afim de permitir que se socializasse com outras crianças de sua idade, seria importante para ela está lá também, mesmo que pagar para duas crianças ainda não seria o melhor momento para mim.
Mas valeu demais, não sabia eu o que estava por vir.

Então consegui ingressar na universidade, e fui a luta para a melhor escolha da creche para Louise, ela não podia continuar no mesmo lugar pois só poderia ficar full time 2 dias na semana, e no school club da escola de Lana apenas após completar 3 anos de idade. Ela voltará quando iniciar o pré escolar, que se Deus quiser conseguirei na mesma escola, já coloquei o nome dela na lista de espera, o que não garante mas facilita quando chegar o momento de preencher o formulário.
Enfim ela conseguindo fazer o pré escolar lá, e a irmã já em reception class na mesma escola, apesar de não ser mais um pré requesito como a alguns anos atrás, acredito que ganha sim mais alguns pontos no peso da escolha.

Por agora tive de escolher uma creche, visitei algumas e analizei demais.
Foi elegida a que faz parte da universidade, a escolhi por vários fatores, gostei da equipe, é outstanding 4 vezes consecutives, perto de mim (apesar do campus universitário ser grande e ficar longe do Law School), e o principal ela se sentiu bem nas visitas.

 
O importante é que tudo funcione bem e em harmonia.
 
 
*Irei postar mais específico da experiência de louise na crèche e da Lana na escola.



Olá amigas,

Aconteceu o desmame da minha caçula. Apesar de uma amamentação prolongada, se tratava de uma amamentação super ativa, a constância das mamadas eram livre demanda e a procura da Louise como a da Lana ambas foram super intensas, assim como eu gostava de amamentar elas amavam ainda mais mamar, incrível, minha irmã e minha mãe, e algumas amigas como no caso da Luciana que as vezes vinham durante o dia ao Skype ficavam estataladas como brincavam e paravam para mamar, diziam que meu leite era doce, contia mel, só poderia ser.
E ao contrário de muitos relatos, claro que a produção não era como a da fase de um recém nascido, mas poderia dizer que era grande, do tipo, se sentiam fome de leite materno minhas mamas enchiam parecendo que iriam estourarem e chegavam a doer.

O ruim de gostarem tanto de mamar foi que fui eu a decidir o momento do desmame, e ambas relutaram para não parar, e faziam de certa forma me sentir triste, mas como ambas desmamei aos 3 anos de idade eu tinha a consciência tranquila e a certeza de missão comprida, ajudava e muito a prosseguir com a decisão sem culpas.

Quando me tornei mãe tinha a idéia de amamentar até os dois anos e uma expectativa enorme que fosse espontâneo, que manifestar-se da parte delas.
Na inexperiência de mãe de primeira viagem sem querer ser eu a tomar a decisão tentei utilizar o sabor do alho na espectativa de não vê-la desapontada comigo, outras mães obtiveram sucesso, mas comigo não funcionou, depois fui surpreendida com a segunda gestação e com o medo que Lana se sentisse rejeitada pela chegada da Louise prossegui, amamentei durante toda a gravidez. Existiam relatos de mães e confirmações médicas que durante a décima-sexta semana de gestação o sabor e textura do leite modificaria para o colosto e normalmente a criança rejeitava, mas novamente minha pequena mamífera não desmamou e prosseguimos, foi tranquila e legal.

Amamentei durante mais um ano após o nascimento de Louise. Foi 1 ano amamentando um bebê recém nascido e uma bebê grandona. Nesta época li bastante afim de garantir que não faltaria para Louise, para compreender melhor o ciclo de produção do leite e mesmo de dicas como amamentar dois.
No inicio foi pauleira, tirava o leite para o Daddy entrar nos momentos de conflitos, onde duas precisassem de mim ao mesmo tempo, normalmente durante a noite, não funcionou, nem sempre ele dava, ou insistia pelo uso do LA, no final encontrei com minha ignorância de mãe de duas de primeira viagem, amamentar as duas ao mesmo tempo nesses momentos, funcionou perfeitamente, ninguém chorava, e nem eu como aconteceram várias vezes.

E, nesses momentos que amamentava as duas ao mesmo tempo eram diferente do que imaginava, tipo uma vaca leiteira arrodeada pelos filhotes, pelo contrário, era tão bom quanto, eu curtia bastante, as duas trocavam olhares e carícias, e a conecção entre nós três era total, uma ato de amor e carinho.

Enfim, chegou o momento de Lana, aos três anos decidi desmamar, ela resistiu, alguns momentos chorava, me fazia me sentir triste nos momento que ela via Louise mamar, mas conversamos demais de forma honesta e esclarecedora, onde dizia que já era uma big girl, falávamos das diversas atividades que apenas uma big girl poderia desfrutar, enfim, que já tinha mamado o suficiente, e que quando a irmã completasse a mesma idade dela iria acontecer o mesmo.
Houve um processo, mas descobri ali que a conversa é o melhor caminho, pelo menos dentro da minha casa, pois cada criança e família tem sua própria personalidade.

Houve um momento talvez pelo cansaço da situação em que se encontrávamos durante as crises e internação hospitalar da Lana que pensei em desmamar Louise, mas também tinha medo que como Lana desenvolvesse a doença genética. Mas também sabia que este momento haveria de chegar, e foi o fato de ter amamentado Lana nos seus primeiros 3 anos de vida que foi fator decisivo para continuar, para não ficar aquela sensação dentro de mim que dei mais a uma do que a outra, coisas de mãe besta talvez.

Então chegou o momento de Louise, diferente do que eu imaginava foi ainda mais dificil quando foi com Lana. Para mim porque sabia que poderia ser minha última bebê, também porque em alguns momentos ela reagia pouco agressiva, tentava mamar a todo custo, chorava muito. Ela não mamava para adormecer a maioria das vezes, apenas segurava minha mão para adormecer, ou mesmo dizia nite nite e ia para cama.
Mas nesta fase do desmame, pedia e relutava muito, e durante 2 semanas apenas adormecia em torno das 3am, dava vontade de desistir dava sim, sim porque eu precisava trabalhar, porque queria começar cedo para dormir cedo, mas era o momento, estava decidido, tinha que resistir ao drama.
Tentava conversar ela não queria ouvir, mas prossegui insistindo até vencer um temperamento forte dela, muito amor e paciência, enfim ela compreendeu.
E, ó Deus como nesta fase minhas mamas enchiam e doiam, a todo tempo tinha de ir para ducha quente para extrair o leite, as vezes parecia chuva de leite materno, ia para todos os lados após os banhos, nesse momento confesso sentia uma dó tanto leite ainda e eu negando amamentar, mas tinha chegado o momento. O momento de adaptação foi para ambas.
Uma vez ou outra ainda vem dá um cheirinho, aliás, até parece pura nostalgia, mas é normal quem não sente, até confesso que sinto muita saudade, como foi bom amamentar, como foi bom, ao todo foram 5 anos seguidos, com os mesmos cuidados com a qualidade saudável do leite, sem consumir  medicamentos prejudiciais a amamentação ou bebidas alcoólicas.

Não fui mais mãe pela amamentação prolongada, das que amamentaram por um período menor ou mesmo as que não tiveram sucesso e não conseguiram, são mães que amam e cuidam da mesma forma, a forma de amor.
Não amamentei porque seria correto, porque seria padrão, queria ser exemplo, porque queria dizer que o fiz, amamentei porque sentia prazer, porque era bom para nós três, porque erámos felizes pelo ato.

Quem desejar saber alguns dos Benefícios da amamentação prolongada postei AQUI.
 
Me sinto privilegiada e quase uma benção poder amamentar por tanto tempo.
Aproveitei demais esses cinco anos que foram apenas nosso.
Agora resta-me sentir saudades da magia desta época.
Olá meninas,

Antes de iniciar nossa postagem gostaria de agradecer pelo carinho de todas. Amo blogar, aqui só me faz bem.

Estas últimas semanas tenho sofrido a dor da separação antecipada, mas sem culpas, apenas saudades da boa mesmo.

Antes mesmo de ser mãe tinha em mente que meus filhos apenas iriam engressar na crèche ou escola aos 3 anos, quando soubessem falar e expressar ocorridos.

Quando Lana nasceu eu estava longe de uma estabilidade professional, para me casar e morar na Inglaterra tive de trancar o curso de Direito no Brasil, estava em pleno processo de legalização no país, tudo muito novo e perdida com a nova cultura.
Mas sempre fui muito ativa, sempre tive metas, projetos e espectativas de melhoras de vida, ter trocado a direção nunca significou para mim parar.

Quando Lana em torno dos 3 meses de vida me indentifiquei e iniciei o trabalho de personal shopper, foi batata, conseguia ser mãe integral e trabalhar ao mesmo tempo.
Qualquer trabalho bem feito e com vontade supri qualquer necessidade ou crescimento financeiro, mesmo que mantenha uma vida simples mas sem que falte nada.

Enfim, surgiu a nova condição de saúde das meninas, como se tratava de uma doença não diagnosticada foi uma luta devagar e longa, não teve como evitar desestruturar, mas graças a Deus o rumo é de total normalização.

Atualmente minha caçula Louise se aproxima do seu terceiro aniversário, Lana, a filha primogênita, do quinto. Inicia nova era, a do recomeço. O retorno da busca de meus sonhos, depois da grande realização de ser mãe, agora o de ingressar no mundo do Direito.

Mas, existe um obstáculo, terei de cursar todo na segunda língua, full time (uma frequência das 9am - 5pm), e sozinha com 2 filhas, onde terão de ficar sobre os cuidados da nursery - school - school club das 7:30am as 6pm.
Não que a dificuldade de ser sozinha, ter uma rotina diária longa, ainda ter de cuidar da casa e delas, com pouco tempo disponível para estudar e ainda trabalhar durante a noite irá me matar, sobrevivemos, neste ângulo não existem grandes dramas para mim, encaro tudo da forma mais natural possível, graças a Deus coragem tenho de sobra. Mas o que tem me feito sofrer e me preocupar de verdade é a dor que sinto da separação, saber que minhas meninas estarão boa parte do tempo sem meus cuidados, mesmo com a certeza que minhas escolhas dos estabelecimentos educativos foram os melhores possíveis, mas fica sempre aquele aperto no coração, tem uma mistura de costume e de amor, gera muita saudade.

Sei que o que estou passando existem muito casos parecidos, todas as mamães que precisaram retornar ao trabalho, ou as que na verdade nunca pararam e apenas estiveram na licença maternidade, esse momento chega é certo, e todas nós pelo menos em sua maioria sente o mesmo, somos mães.

Aqui na Inglaterra estivemos no summer holiday, são 6 semanas de férias que antecedem o ínicio do ano letivo escolar, para Lana iniciou dia 02 de Setembro.
Então estas 6 semanas foram de muito empenho para engressar na universidade, passear com elas, e principalmente ter nossos momentos ¨fazer nada, apenas ficarmos juntas¨, para mim que sei que nova etapa se inicia, uma certa maneira de dizer good bye para nossos dias longos.

Abraçei mais ainda, beijei muito mais, e principalmente por muitas vezes me peguei observando cada detalhes delas de agir, de ser, maneira de brincar, partes do corpo, momentos que continuarão desenvolvendo, mudando sem que eu esteja ao lado como nesses últimos anos, não podemos cortar as asas delas e sim ensiná-las a voar, não podemos abrir mão de voar e sim voar ainda mais alto por elas, já não são mas bebês, logo não serão mas crianças, tudo isso faz parte de crescer, e crescer dói, mas faz parte da vida, e não impede que seja bonita.
Encontramos um kit lindo, um cercadinho com palha, com ovos e tinta para usar a imaginação e decorar,
como não houve participação da Louise no trabalho escolar da Lana foi legal, além de se divertir decoramos a nossa lareira
com ovos decorados pelas meninas.

Gente, tudo bem?

Uma postagem bem atrasada, mas terão algumas vindo do fundo do baú por aí, estarei revendo nossas fotinhas e vindo aqui cadastrar o que passou, afinal mãe e museu são as mesmas coisas, isso porque todo minutinho dos nossos filhotes são tudo para nós.

No quarto, deitadas, já tinha lido historinhas, normalmente cada uma escolhe uma, e deito com Louise para amamentar, quando Lana me faz a pergunta, Mamãe o que é Páscoa? Por que se comemora?

Sei que ela está mais antenada, ainda mais inteligente, que perguntas estão surgindo constantemente, além que desde Novembro do ano passado entrou na fase dos porquês, mas as vezes me pega de surpresa falta resposta pelo menos coerente para a idade e nos deixa confusa.

Pensei rapidamente em todo o contexto e como explicar, não queria informar justamente que a ressurreição de Jesus foi devido ao crucificamento e todo sofrimento, muita informação a deixaria triste ou mesmo assustada, então expliquei da seguinte maneira:
 
Filha sabe o Natal que comemoramos o nascimento do menino Jesus, ele cresceu, e chegou um momento que ele morreu, e após 3 dias todo mundo descobriu que de fato ele era um anjo de muito poder, pois ele apareceu todo de branco e foi para o céu ficar com o Pai dele.

Ahhh, então ele morreu, que triste, mas aí ele está vivo no céu, ele tem poder mamãe eu sei...

Sim filha, ele é poderoso, faz mágicas em nossas vidas, lembra quando você estava bem doente, e doía muito e você orou muitas vezes com a mamãe sempre pedindo a Jesus para te tirar a dor, te curar?

Mas mamãe então Jesus é um mágico ruim, porque ainda coça muito, e dói, não estou boa não...

Filha querida, mas está ficando boa sim, ele já te fez melhorar e te protege a todo tempo, creia filha você nas suas orações diz que sabe que ele tem poder, confie.

Confio, então preciso conversar ainda mais com ele, devo pedir que melhore a mágica porque ainda não estou boa, ainda coço, coço muito, e as vezes dói também, eu amo Jesus e ele vai me fazer ficar boa para sempre.
 
Amém filha, irá sim.

Ela confia, tem fé, ora, mas contesta, testa a existência de Jesus, o que acho bom, pois de forma linda espontânea no seu mundo inocente de criança a fé se fortalece e Jesus mostra seu poder e ela sente.


Páscoa no pré-escolar

Acordou no meio da noite e me encontrou agilizando, claro colocou as mãos na massa.
Não sabia, mas tinha a sala de galeria dos boil eggs para expor todos os trabalhos,
ficamos orgulhosas de ver nossos singelos boil eggs lá.

Vi aqui postar nossa Páscoa que estava em rascunho, e relendo bateu uma saudade do tempo que amamentava ainda, nostalgia pura, amor de mãe faz isso constantemente, essa sensação de que cada etapa deixam de ser bebê dói, mas como sempre digo para Lana, vocês podem aprender, crescer e crescer, mas sempre serão meus bebês. :-D

Olá amigas,

Perdoem o sumiço, vai e vem sempre vemos alguma mamãe sumindo e reaparecendo deste universo da blogosfera, o motivo normalmente é o mesmo, aglomeração de afazeres. E é normal que a prioridade nos tempos vagos são para nossa família, eu amo blogar, mas quando se trata de deixar de me dedicar para as meninas nem precisa perguntar qual a minha prioridade.
É legal que muitas mamães tenham mesmo esta prioridade no meio de tantos sites de relacionamentos que tem afastado milhares de pessoas do meio social real para o virtual, é triste.

Não dou pausa num momento alegre para fotografar e postar em facebook por exemplo de jeito algum, quem me conhece sabe que não faço, nosso mundinho de cadastrar publicamente é aqui onde fica cadastrado nossa história e etapas, que servem para mim mesma relembrar ou tirar dúvidas, para familiares e amigos distantes ficarem por dentro e nos acompanharem, onde outras mamães interagem entre si de forma super agradável.

Talvez por isso mesmo quando precisei expôr minhas meninas, nossa particularidade, foi tão difícil para mim, e por muitas vezes faltou tato e equilíbrio da minha parte para lidar com diversas situações chatas que surgiam, mas apesar do grande desconforto que eu sentia, o desespero de conseguir ajudar minha filha falou mais alto, mais que qualquer opinião ou crítica.

Talvez já perceberam que algumas postagens foram retiradas daqui do blog, decidi deixar apenas as postagens de esclarecimentos ou de nossa experiência da doença na intenção de poder ajudar outras mamães que tenham seus filhos com sintomas parecidos.
Alguns motivos gritavam dentro de mim, não que quizesse cadastrar aqui apenas acontecimentos bons, mas algo tão pesado e tão triste que me faça sofrer sempre que me deparo com uma postagem deste momento não precisa permanecer.
Outro motivo muito forte, é incrível como assuntos de dor e de sofrimento existem um interesse maior em muitas pessoas, isso é mais que comprovado, aqui na lista interna da conta das postagens era visível como as postagens de momentos sofridos tinham visualizações diárias desparadas em relação as que falávamos de vitórias e melhoras. Outro dia li uma reportagem que anunciava a prisão de uma america pelo assassinato de seu próprio filho, a causa era as necessidades psicológicas egoístas da mãe, uma blogueira que percebeu que a cada piora do filho ganhava ainda mais o interesse dos leitores e terminou que envenenava seu filho para obter pioras e hospitalizações apenas pela atenção desse público, é assustador tudo isso, e sabemos que existem mais loucas assim, e me deixa indignada o fato de tantas pessoas se interessarem pela desgraça dos outros, é visívil inclusive em murais de facebook e em videos do youtube onde algumas pessoas ao invés de salvar alguém filmam para lançar lá e ganhar picos de visualizações, gente isso é terrivel, ou mesmo nos noticiários de tv e radios, e logo eu que apesar de sempre prezar pela discrição num momento desesperador de pedir ajuda não pude evitar tanta exposição, além de ter tomado uma dimenção que fugiu do meu controle, mas infelizmente existia a necessidade de mostrar a realidade pois muitas queriam mesmo fatos comprovados pela dúvida de fralde que é compreensível no meio de tanta desonestidade no mundo, ou mesmo por maldade, não vem ao caso.
Bem passou, mas minhas meninas não servirão para satisfazer essas pessoas más, sei que serão as boas que estarão acompanhando aqui nossas vitórias e alegrias, pois são as que amam ao próximo que emitem energias positivas e oram pelo bem da humanidade.

Hoje estava pensando no blog, nostalgia da grande, dos momentos em que vinha aqui dividir tantas etapas deliciosas, e percebi o tempo que não blogava, prova como o tempo voa, ou como estive atarefada.

Neste intervalo houveram muitos acontecimentos, alguns consegui escrever em rascunho poucas linhas, como nossa páscoa, o término do pré escolar da Lana, as aulas de Ballet das duas, nossa estada com Tatty Teddy, o desmame total da Louise, momentos de irmãs, são muitos tópicos, estou num momento corrido ainda, mas tentarei postar aqui esses e outros tópicos.
Tenho recebido inúmeras cobranças de amigos brasileiros, americanos, que surgiram no mundo internauta, na graça de um anjo, das mamães blogueiras e familiares, aguardem, na medida do possível irei passar mais por aqui.

Lana teve reações de me fazerem pirar, mas conseguimos sucesso a cada crise.
Trabalhei muito todo esse tempo, estive além de pagando as dívidas feitas nesta época também devolvendo a algumas pessoas que nos ergueram as mãos quando precisamos, atualmente faltam apenas duas pessoas, ambas também não querem rapidamente, pois me disseram que perderia o sentido da ajuda.
Tenho tentando entre se estruturar novamente e manter uma rotina feliz e continuando dando o melhor de mim para elas.
Atualmente estamos mais ainda unidas, felizes, e eu ainda mais realizada, além de ter duas filhas maravilhosas estou retornando aos estudos, essa é a grande notícia, com muita luta, paciência, persistência, no meio de tanta burocracia e exigências consegui ingressar no curso de Direito na Universidade de minha cidade que por sinal é muito qualificada.
Mais uma grande vitória, meu sonho perseguirei, apenas peço a Deus o de sempre, muita união e saúde para nossa família, o resto eu conquisto, pois tenho metas em minha vida, Deus em meu coração e sigo em frente. Amém.

¨ Entender a vontade de Deus nem sempre é fácil, mas crer que ele está no comando e tem um plano pra nossa vida, faz a caminhada valer a pena. ¨



O amor por makeup, agora pela limpeza  de pele.
No inicio não permiti, depois liberei e não é que funcionou...
Olá amigas,

Muitas saudades daqui, de nossas descobertas e de tricotar mesmo.
Mas tenho tido dias para lá de punk, criança quando adoece e quando são duas parece que contagia, ainda com deficiência de imune então...

Semana 1 e 2: Lana teve crises que pareciam não cessar, mas graças a Deus consegui controlar.

Semana 3: Feliz da vida, filhas saudáveis.

Semana 4: Louise começa ficar para baixo, e numa noite mal dormida e com febre revela, mamãe beija meu ouvido que passa, está doendo muito.
Noite seguinte a febre e reclamação do ouvido persistem, ligo na manhã seguinte para marcar consulta médica, e o susto, estão preparados?
Nova norma NHS (sistema de saúde de UK lembram?) após informar o motivo aguardar 3 dias para a criança ser atendida, seja onde for, emergência hospitalar ou consultório, motivo controle de prescrição de antibiótico.
Gente até compreendo, inclusive Lana quando bebê fiz uma pesquisa sobre o uso do antibiótico desnecessário, mas num ápice da dor, porque ouvido inflamado dói para caramba, um spray ou gotas, sei lá algo que alivie a dor afinal se trata de uma criancinha de 2 anos, e que além de tudo sei que quando ela vem reclamar já vem sentido talvez a dias, pois ela é brava, suporta dores tadinha.
Bem, conclusão 2 dias de dor para a mamãe compreender e telefonar para marcar consulta, 3 dias para aguardar, op's! mais 1 dia porque foi feriado de Páscoa na Segunda-feira, e mais 3 dias para o antibiótico surtir efeito.

Semana 5: Essa foi de matar, aparece algo infeccioso no olho da Lana, muita febre, e amanhece toda pipocada, não quis acreditar, mas depois de contactar amigas no Brasil e levá-la no GP aqui, o diagnóstico temido: CATAPORA, gente isso mesmo catapora, aqui chamamos de Chicken Pox.
Aumento de anti histamínico, gel para aliviar, pomada Bepantol para partes íntimas, ainda corticoids para os pontos inflamado (nunca onde há as bolhinhas da catapora), auxilio os cuidados com o estado anterior e a catapora, muita mais muita paciência, a atenção para controlar as coceiras, detalhe logo no primeiro dia ficaram abertas e inflamadas.
No meio de todo sintoma da doença, das febres altas, a tadinha como sempre conformada, aceitando o novo quadro, não reclama super calma e paciente o que me ajuda muito a cuidar, mas sua única reclamação quando pergunto é o olho: mamãe meu olho dói muito, está doendo demais.
Ela tomou a vacina, mas no caso dela, a deficiência na imunização faz com que tudo chegue ao extremo.
O bom desta doença é que tem inicio e final, sabemos que se trata de um círculo, beleza.

Semana 6: "?"
Ainda não chegou, mas estou preparada psicologicamente para Louise contrair a catapora, o que alivia é saber que o segundo sempre é mais fraco (mito?), mas de uma coisa é certa a imunização da Louise é melhor, pois ainda mama, poderá não contrair ou se mais branda, o que entre nós até preferiria, pelo menos agora seria fraquinha e estaria imunizada.

No meio de tudo, algumas chateações, andaram hackeando minha conta no mercado livre, depois que hakearam lá tiveram todo acesso a meus dados do cadastro, emails, cartão de crédito, mercado pago, tive muito aborrecimento principalmente pela falha enorme de acesso a equipe mercado livre, fiquei dias e noites empenhada em encontrar uma forma de contactar a equipe do Mercado livre, pois acesso zero a atendimento no site, telefones encontrados pesquisando em internet todos não funcionam, segui tentando resolver pelo menos o que conseguisse e todo caminho leva ao logar a conta que é impossível pois meus dados foram trocados pelo harcker, no mesmo dia foi fácil restaurar outlook e cancelar cartão de crédito, mas com o Mercado livre só mesmo através de alguns formulários sem sucesso pois retornavam pedindo para ir em contato para gerar número de protocolo, não tinha como claro, mas me parece que consegui chamar a atenção pelo menos, pois cancelaram a conta.
Mas até o presente devolver o valor em conta que é bom nada claro.
Infelizmente quem precisa utilizar a internet corre este risco, hackers estão agindo em toda parte sem escolher a quem ou qual site atacar, só por mais que sabemos nunca estamos preparados que aconteça conosco!

Contudo, tudo está se encaminhando bem, entre trancos e barrancos, estamos bem e felizes.
Tudo vai acontecendo, vai se encaixando, a paciência é a de sempre e o tempo se encarrega.
 
Tecnologia do Blogger.